25 janeiro 2010

era um choque, por favor

Hoje passei o dia em Madrid. Fui a trabalho até ao Parque Warner.

Apesar de termos acordado cedíssimo e termos pago um balúrdio por um pequeno-almoço que se resumiu a um croissant misto que sabia a nada e a sumo de laranja natural com o já conhecido “efeito-amígdala”, as viagens com a chefia são sempre uma animação. Fomos e voltámos em low cost que a crise anda sempre a morder-nos os pés. Se bem que mais valia termos ido pela TAP ou pela Ibéria, sempre nos “ofereciam” o pequeno-almoço… aquela restauração do aeroporto é cá uma roubalheira… irra!

Enfim, lá fomos até Madrid. Chegámos e após uma conversa azeda com uns taxistas, lá apanhámos o metro e depois o comboio. Estive lá em Março'08 e ainda me lembrava muito bem do caminho. O dia esteve azul e foi muito bom voltar aquele parque. Desta vez estava tudo ainda mais vazio. O parque só abre em Março pelo que aquelas ruas pareciam “ruas-fantasma”, mas eu gostei à mesma. Gosto mesmo daquele sítio. Estava um silêncio fantástico. Nada de gritos nem crianças a correr. Quase que me apetecia voltar ao Super-homem ou ao Stunt Fall ou ao Enigma (não, se calhar este não!).



O almoço foi nos arredores. A responsável do parque que esteve connosco disse-nos que o almoço naquele sítio era uma maravilha, a comida caseira, muito saborosa, muito baratinha, etc. etc. Ai estes madrilenos lá sabem o que é comida boa. Comia-se, mas estava a anos-luz de ser uma maravilha.

Depois da reunião voltámos ao aeroporto e é sobre este aspecto que se prende este post.

Terminal 1. Uma série de caixas verdes estavam agarradas às paredes. Quase na mesma quantidade que os caixotes do lixo.
O que seria?
Espantem-se.
Pelo menos eu fiquei espantada.

São desfibriladores cardíacos.



Não me lembro de ver extintores mas os tais desfibriladores, lá esses estavam ao virar da esquina.

Para terminar a coisa, uma senhorinha resolveu vir o voo inteiro a mexer e remexer num invólucro de plástico. Foram 70 minutos de puro desespero…
Como é possível que a porra de um panini demore tanto tempo a deglutir? Foram 600 quilómetros naquilo.

¡Joder!

4 comentários:

Armanda disse...

ou seja, um dia bem passado!!

Com a garantia de em caso de ataque cardiaco,ter socorro imediato!!

GuroZen disse...

Que bela vida Dona Cláudia, sempre no laréu! :)

Cláudia L. disse...

Laréu? Fui a trabalho senhor.

De ataque cardíaco só se fosse de risada!

nuno brolock disse...

Joda-se!