30 abril 2010

28 abril 2010

copo menstrual lunette

Copo quê?




Copo menstrual.

Pois é, esta novíssima invenção (não tão nova porque já é de 2004) veio lá do norte da Europa - da Finlândia, e é para ser usado em vez dos tampões e pensos higiénicos da vida.

Este copo menstrual da Lunette e é um copinho feito em silicone medicinal que não causa alergias e que se põe dentro do canal vaginal. Para tirar, basta puxar a ponta, tal como se faz com o tampão (embora neste caso a ponta não fique de fora). Deita-se o conteúdo fora, lava-se o dito copo, desinfecta-se e está pronto a ser usado novamente.


Pode ser adquirido nas farmácias por 29 Euros e pode durar entre 5 e 10 anos. Outra parte boa da coisa é que é ecológico.

Existem 2 tamanhos: o normal e outro um pouco maior para quem tem maior fluxo.

É ou não é uma grande invenção? Está tudo explicadinho aqui.

dentes

Os portugueses andam cada vez mais desleixados com os dentes. Cada vez os lavam menos e as idas ao dentista são cada vez mais espaçadas.

és assim

E não é só hoje.
É desde sempre. É agora. É para sempre.
Inspiras-me.

fim de tarde

Ontem houve tempo.

O final de tarde foi com direito a uma cerveja bem fresca no Largo de Santos (eu, como sempre, dispenso o tremoço e a ginguba) e o jantar foi de sushi. Tudo na boa companhia dos amigos. Foi animado e com uma brisa fantástica de Verão. São as maravilhas dos quintais de Campo de Ourique. Soube bem. Dormiu-se menos mas assim vale a pena.

Houve tempo.


E por falar em Campo de Ourique, cada vez gosto mais deste bairro. Adoro a luz e a calma que se vive nas ruas. Adoro as mercearias e as pastelarias. Só não gosto do preço do metro quadrado. Disso é que não gosto nada.

26 abril 2010

o tempo


Às vezes só queria ser livre para fazer aquilo que me apetece. Sem deveres. Sem obrigações. Sem horas marcadas. Sem agendas. Sem ter que parar para pensar naquilo que tenho para fazer amanhã e naquilo que não consegui fazer hoje. Sem ter que ficar stressada porque não tive tempo de olhar para aquele e-mail. Sem ficar irritada comigo própria porque não consigo arranjar tempo para ir beber copos com os amigos. Sem ter que ficar profundamente deprimida porque não tenho tempo para ficar sossegada no colo de quem me dá amor, conforto e paz à alma. Preciso de tempo. Muito mais tempo. 

wake up

monday


Porque as segundas nunca foram nem nunca serão fáceis para ninguém!

Custa não custa? Pois custa.
Não apetece, pois não? Não.
Mas tem mesmo que ser, não tem? Tem.

25 abril 2010

freeze

Tenho uma tarefa do trabalho para acabar, obrigatoriamente, este fim-de-semana. Mas estou com o meu cérebro completamente congelado. Não consigo ter ideias e, para piorar, as poucas que tenho não as consigo pôr em palavras bonitinhas e que façam sentido.

Será que foi da sangria e das caipirinhas de ontem?

24 abril 2010

é só rodar

Já tentei várias vezes fazer o cubo mágico e nunca consegui... acho que a minha inteligência não dá para tanto. A verdade é que também não tenho grande paciência para andar sempre à volta do mesmo e sem sucesso. Ao fim de algum tempo... fico farta. Next!

É por isso que agora me vou dedicar a este novo desafio. Que vos parece? Mais fácil, não é?

decoração

Adorava ter jeito para ser decoradora. Mas assim daquelas mesmo boas. Acho que qualquer dia ainda vou tirar um curso de decoração de interiores.

Alguém conhece algum curso prático deste tipo?

Assim conseguia tornar uma coisa sem jeito nenhum em algo com muita pinta.

21 abril 2010

pipocas

Gosto mesmo de pipocas.
doces.

lembra-te sempre


a cor


És a minha vitamina!

o meu bonsai

E porque o meu bonsai já viu melhores dias, acho que vou ter que o mudar de casa. Desde a queda que o fez voar desde a janela até ao meio do chão, maldito vento que o levou, que nunca mais foi o mesmo. Anda tristonho e com as folhas encolhidas. Coitadinho! 

Este fim-de-semana vou arranjar-lhe uma casinha nova e uma terra especial de corrida. Gostava de encontrar algo como isto. Será que há no Aki?

19 abril 2010

arco

Porque a arte é mesmo muito relativa...


olha a catherine

Pronto, lá anda tudo a criticar a senhora Douglas em relação à última produção para a Allure. Como se uma mulher aos 40 anos não pudesse ter este bom aspecto... claro que a imagem deve estar melhorada, como todas as que vemos em todas as revistas, mas também não precisam de cascar como se a senhora já estivesse acabada.

madrid

Estou acabadinha de chegar. Gosto à brava daquela cidade. 

Gosto da língua, das pessoas, das ruas, «das tapas, dos vinos e das cañas», de passear no Retiro e na Chueca, de visitar os museus, de subir e descer a Gran Vía e a Serrano (apesar das obras), de tirar fotos às tulipas que enchem as ruas e me deixam de olhos a brilhar. De lá, só não gosto do pão e das doçangas. Sabem a quase nada. Não me convencem.

Estes 4 dias souberam que nem pintarolas. Deram para conhecer novos restaurantes, novas calles e até dei um saltinho a Segóvia, com direito à neve de Navacerrada e tudo. Mas houve um sítio que me vai ficar na memória por largos anos - o Mercado de San Miguel. Fiquei fã. Adorei o espaço, o conceito, a comida, a bebida e até o cantinho português com café Delta e com uns pastéis de nata com um aspecto rançoso. Gostei de dia e de noite. Principalmente de noite, pela agitação que só os espanhóis conseguem criar ao fim da tarde.
Conheci ainda (e finalmente) a Chocolatería San Gines, dos famosos churros com chocolate. Ui, que maravilha!

Soube bem. Soube mesmo bem.

18 abril 2010

xô cenizas



Não quero cá cinzas vulcânicas no meu caminho. Estou quase de regresso e como tal não me apetece esperar muito.

Até já.

16 abril 2010

os carimbos

E o que eu gostava de carimbos quando era pequerruchinha (adoro quando o meu pai me chama assim)?


Uiiii. Era só carimbar, carimbar, carimbar. Era braços, pernas, barriga, paredes, sofás, era tudo o que me aparecia à frente.

15 abril 2010

mais arrepios

Porque estas coreografias deixam-me com os pêlos em pé...

Kayla&Kupono

Melissa&Ade

14 abril 2010

pois és


E é por isso que hoje já quero beber o chá contigo
e amanhã tomarmos o pequeno-almoço juntas.

elevadores para totós


P: Quando se está à porta de um elevador e se quer descer, carrega-se em que botão?
(escolha uma das seguintes opções)

a) para cima
b) para baixo
c) nos dois, porque sou totó

Não, eu não acho que vocês, caríssimos leitores, sejam uns totós. Mas que há muita gente totó pelo meu edifício, disso não tenho dúvidas. É que continuam a carregar no botão para subir quando querem descer… especialmente nas horas de ponta.

Resultado: os desgraçados do 11º andar (nos quais eu me incluo), que à hora do almoço esperam mais de 5 minutos para descer, ainda têm que esperar pela 2ª ou 3ª ronda de elevadores porque esta gente poucochinha entope os ditos e ninguém entra. 

Civismo minha gente, civismo! 

Ai que fico tão irritada! Mas ao menos reclamo na cara dos que fazem a asneira e não espero que as portas se fechem para vomitar o veneno. Sonsos! 

pelos carris


As minhas viagens de comboio são sempre numa inspiração. Ontem não foi excepção e vinha à pinha. Normalmente, quando faço estas minhas viagens diárias, vai quase tudo caladinho, salvo raríssimas excepções. Hoje apanhei uma dessas excepções.

Vinham 2 pessoas, que falavam num idioma que não consegui deslindar, literalmente aos berros um com o outro. E não estavam em tom de discussão. Vinham simplesmente a conversar. Inacreditável. Era ver o pessoal a cuscar por cima do Destak. Teve piada!

O meu iPod vinha quase no máximo e nem o grande Matthew Bellamy conseguiu superar o tom de voz daqueles senhores.

faz-se luz

Os criativos que têm estas ideias são verdadeiramente iluminados.

13 abril 2010

facadas

Há cada vez mais pessoas que são vítimas delas próprias. São infelizes e continuam a cravar umas valentes facadas nas próprias costas.


Isto a vida são dois dias e, à velocidade com que isto passa, ou acordam já ou então acabam como estas bonecas.

Custa-me ver pessoas que são infelizes pela inércia. Pelo deixa andar que logo se vê. Dá trabalho tomar decisões, as boas e as más. Mas antes tomá-las do que ver a vida a passar por um canudo.

amo


Amo algumas coisas… não muitas. Mas aquelas que amo, amo perdidamente e como se não houvesse amanhã. Amo de forma sôfrega. Quase como o oxigénio da vida. E não amo só pessoas. Amo coisas. Amo sítios. Amo momentos. Amo sensações. Claro que, quase sempre, está associado às pessoas que amo ou amei muito. São as pessoas que conferem o sentido de inesquecível às coisas, porque sozinhos somos muito pouco. Eu pelo menos sou assim. Amo partilhar. Amo sentir em conjunto. Amo recordar coisas que me fizeram feliz. Amo fazer planos para o futuro. Especialmente com as pessoas que amo. Porque acredito nelas e na força delas. Amar é bom e devemos amar muitas vezes na vida.

brrrr...

Mas é para voltarmos a isto outra vez?


Mau. Assim não vale.

12 abril 2010

i really miss you

cruza cruza cruza

Porque estou prestes a receber uma notícia assim a atirar para o mauzinho, vou cruzar todos os 20 dedinhos que tenho para que não seja assim tão má... só um bocadinho menos boa. Vá lá...

grãos de areia

Depois de um fim-de-semana cheio de sol, trago as minhas bochechas encarnadas e as sardas em 3D. Foi o primeiro sol do ano. Teve direito a mergulho na água salgada e tudo. Nessa e na da piscina. Gelada geladinha.
Apesar de alguns contratempos (muito chatos por sinal), o sorriso nos lábios e o calor na pele estiveram sempre lá. Mas quando chega o domingo à noite... fica logo mais fresquinho. É uma brisa fria que me leva o sorriso...    



_______
Esta imagem é do Crimes Perfeitos - o blogue das imagens perfeitas. Esta encaixa nesta perfeição pelo calor e pelos grãos de areia. 

10 abril 2010

rir

Às vezes, a vida passa-nos algumas rasteiras...

foto: Vasco Neves
...por isso, o melhor é rirmos o mais que pudermos.
E sermos felizes o mais que conseguirmos.