02 março 2011

salários sem tabus


Um dos temas desta semana [e capa] da Visão são os Salários sem tabus, ou seja, deve ou não saber-se quanto é que o vizinho ganha.

Sim, eu sou da opinião que sim. A tabela de salários deve ser do conhecimento de todos para que não haja cá conversas de corredor nem bocas desnecessárias. Mais, ao haver transparência quanto a isso e, se nos sentirmos injustiçados, ao menos somos uns injustiçados esclarecidos. A pior coisa que há é andarmos a apanhar bonés e num diz que disse. A verdade é que não deve haver necessidade de se esconder os salários. Faz sentido percebermos o mercado de trabalho em que estamos inseridos. Todos devemos saber as regras do jogo. Se X pessoa recebe mais 500 ou 1000 euros do que a pessoa Y, por alguma razão será. Cabe a quem os contrata, enquadrar as pessoas e explicar o porquê. Caso contrário, gera-se um clima chato e desconfortável que não faz bem a ninguém. Minha opinião, claro.

Neste artigo da Visão, há de tudo. Há os que recebem 450€/mês e os de 15 mil. Líquidos. Mas uma coisa é certa, todos acham que recebem abaixo daquilo que deveriam auferir. É normal. Se bem que quem recebe acima dos 1500€ acha que até nem está mal de todo, tendo em conta o panorama do país, onde o salário médio está nos 778€.

Há os que ganham muito que não gostam que se saiba, porque as pessoas podem achar que não merecem. E há outros que não gostam de revelar que se governam com tão pouco. Enfim, cada um com a sua posição.

E vocês, o que me dizem? 

4 comentários:

Alexandra disse...

Eu acho justo dentro de uma empresa todos terem conhecimento do salário uns dos outros. Infelizmente eu faço parte do grupo que não gosta de falar sobre quanto recebe.
Fala-se de crise, mas a diferença entre o salário médio e o salário mínimo, que são 485€, é de 293€, o que é considerável. E mesmo assim são bastantes os que ganham o mínimo.

Só sedas disse...

Saber os salários médios para cada cargo acho bem, saber ao certo quanto é que ganha cada pessoa, porque é que este mês ganhou mais ou não... parece-me mais cusquice do que justiça social. Esses dados não têm que ser públicos. Devem estar registados para quem direito agora para toda a gente? Não. Alias, as pessoas não usam essa informação para sentir essa tal justiça e sim para fazer as táis conversinhas de corredor que falaste antes "ah com o dinheiro que ganha bem que podia ser mais generoso" por isso como não se pode confiar no bom senso comum, eu não concordo que o salário seja de dominio público.

Xana disse...

Eu concordo contigo. Acho que muitas empresas aproveitam a ignorância dos trabalhadores para explorar uns e beneficiar outros. Se for conhecido, o salário passa a ser um reflexo da função, responsabilidade e performance e não de cunha ou especial favor.
Não tenho problema nenhum em dizer quanto ganho. Para mim não é nada um tabu.

Pedro disse...

A favor da transparência, pois tá claro!

P.