05 abril 2014

tudo corre bem quando acaba bem


Tudo corre bem quando acaba bem, o problema é quando não corre bem e o desfecho é bem mais complicado do que o previsto. Foi o caso. Já viajo em trabalho, a acompanhar grupos corporate, desde 2007. Nestes últimos 5 anos tenho estado focada nos eventos nacionais mas de quando em vez lá aparece uma viagem com um grupo mais xpto ou um cliente que já trabalha comigo há mais tempo e, na indisponibilidade dos que sempre acompanham, sou chamada à receção para ir com eles. À parte da logística que é sempre cabeluda {aviões, passaportes, vistos, bagagem que se extravia, atrasos, transfers, câmbios, contagens, guias, refeições, visitas, necessidades especiais, gifts, etc. etc. etc.}, por norma nunca acontece nada muito fora do meu alcance. Acontece que aqui, onde estou agora, houve um acidente com uns dos participantes e a coisa ficou preta. Entre ativar seguros {em Portugal e aqui}, pedir taxis {ambulâncias só mesmo em caso de morte iminente}, fazer raios x, tac, análises, mudar de centro médico, repetir tudo outra vez, pedir que metessem o homem a soro, voltar a pedir que, na possibilidade de haver traumatismo craniano, ficasse 24 horas em observação, idas a pares à wc para que o homem não me desmaiasse e ficasse para ali inconsciente, fazer sala e dizer umas piadolas para que se sentisse acompanhado e tranquilo... tudo isto foi um 31 do caraças. Felizmente foram "só" 3 vértebras da cervical fraturadas mas de carola está tudo ok. Agora é esperar que o voo de regresso seja igualmente sem stress. olhaoquemehaviadecalhar!

2 comentários:

Lorena Del Mar disse...

Que azar!

estiveste à altura já se vê!

Anónimo disse...

Foste uma GRANDE Mulher!beijo <3