16 setembro 2014

as palavras do crime


“O amor nunca morre de morte natural. 
Ele morre porque nós não sabemos como renovar a sua fonte. 
Morre de cegueira e dos erros e das traições. Morre de doença e das feridas, morre de exaustão, 
das devastações, da falta de brilho.”
Anais Nin


Inspiradíssima pela Marla, que tantas vezes o faz sem saber... desta vez até a imagem e o título lhe gamei. Não quero mudar nada, porque é na mouche. 

1 comentário:

Maria Varredora Pau de Vassoura disse...

tão bonito e tão verdadeiro...